Prêmios, Projetos e Destaques Acadêmicos

Imagem de uma das entradas da PUC-RIO pela Rua Marquês de São Vicebte
Voltar
 


Seção: Projetos  

Terceira idade em primeiro lugar


 

Utensílio de auxílio à locomoção para idosos desenvolvido por aluna de Projeto de Produto recebe Prêmio Internacional Objeto: Brasil

 

A preocupação em melhorar a qualidade de vida de idosos com dificuldades de locomoção - mas que, por razões como má adaptação ou resistência, não utilizam utensílios como bengalas, muletas ou andadores comumente encontrados no mercado - foi a inspiração para a aluna do curso de Projeto de Produto Carolina Ferraz desenvolver o Camminta, conceito inovador de objeto de auxílio.

Além de esteticamente atraente, o Camminta proporciona mais conforto e é dotado de uma série de atributos de apoio à marcha. Por tudo isso, acaba de receber o Prêmio Internacional Objeto: Brasil, na Design para Todos | Economia Solidária.

A designer Carolina Ferraz falou à assessoria de comunicação da Vice-Reitoria Acadêmica sobre a concepção, a manufatura, o prêmio e os planos futuros.

 

Assessoria de Comunicação/Vice-Reitoria Acadêmica: Do que consiste o Camminta?

Carolina Ferraz: O Camminta é um novo conceito de objeto de auxílio para a mobilidade de idosos, desenvolvido para ter mais apelo estético e representar uma mudança no paradigma dos objetos encontrados no mercado (bengalas, muletas, andadores etc. Conta com um sistema de absorção do impacto da marcha, para gerar mais conforto e aliviar as dores nas articulações (comuns em idosos). Ao mesmo tempo, o sistema utilizado potencializa a energia do caminhar pois apresenta, na parte inferior, um formato diferenciado que melhora o desempenho da marcha e impulsiona o caminhar do usuário. Seu material antiderrapante impede as quedas, muitas vezes frequentes na vida dos idosos pela facilidade de perda do equilíbrio. Além disso, seu uso é intuitivo e seu manuseio é confortável, pois o silicone se molda às mãos de cada usuário. Sua regulagem de altura se adequa a diferentes tipos de altura (de 1,46 m a 1,80 m). A estrutura é leve, compacta e as cores convidativas.

 O objeto em ângulos variados - </STRONG>crédito: arquivo pessoal <STRONG>
 O objeto em ângulos variados - crédito: arquivo pessoal 

Ascom/Vrac: Como surgiu a ideia de desenvolver um projeto para mobilidade de idosos?

Carolina: Surgiu a partir do grande número de idosos que vivem no Brasil. Atualmente, 3,7 milhões de idosos vivem sozinhos e até́ 2025 o Brasil será́ o sexto país com maior número de idosos no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Após uma certa idade, a maioria dos idosos apresenta algum tipo de dificuldade para caminhar e necessita de meios auxiliares de locomoção para melhorar o equilíbrio, compensar as deficiências de forca e agilidade, aliviar dores e melhorar o desempenho da marcha, evitando também problemas maiores como quedas e lesões. Muitos idosos não utilizam nenhum objeto de auxílio por achar que ele exterioriza sua velhice, demonstra sua fraqueza ou gera discriminação. Sendo assim, surgiu a oportunidade para criar um objeto a ser integrado à rotina do idoso (usuário-alvo do projeto) que desperte nele o desejo de uso, auxilie sua mobilidade e garanta sua independência e autonomia para que possa dar continuidade as suas atividades cotidianas na sociedade.

Ascom/Vrac: Quem foi seu orientador do projeto final? Como acha que o curso de Design contribuiu para a concepção e o desenvolvimento do objeto?

Carolina: O meu orientador durante todo o ano do projeto final do curso de design foi o professor Felipe Rangel. Desde o início, o principal desafio ao longo da criação desse produto foi desenvolver um objeto que de fato tivesse alguma relevância na vida dos idosos. Pude perceber o quanto a perda da independência, as dificuldades diárias de mobilidade, as deficiências de força e agilidade e as dores atrapalham o dia a dia dos Idosos. Todos esses fatores foram importantes e fundamentais para o desenvolvimento desse projeto e ao mesmo tempo o principal desafio, pois era preciso adequar esse objeto a essas necessidades a serem atendidas. O curso de Design da PUC-Rio é muito centrado no usuário. Todos os projetos que realizamos ao longo da faculdade têm essa vertente, então, desde o início, temos objetivos bem claros quanto ao "projetar". Somos ensinados todos os dias a desenvolver projetos que sejam pensados para o usuário: forma, funcionalidade, estética... Elementos totalmente voltados ao "consumidor". Tenho muito orgulho do Design da PUC, principalmente por proporcionar aos alunos a oportunidade de lidar e aprender sobre o design social, um aspecto tão importante, mas muitas vezes deixado de lado dentro do Design.

 Utilização por idosa - </STRONG>crédito: arquivo pessoal <STRONG>
 Utilização por idosa - crédito: arquivo pessoal 

Ascom/Vrac: Como se deu o processo de desenvolvimento. Foi utilizada impressão 3D?

Carolina: O modelo foi feito com tubos de alumínio em duas espessuras diferentes, sendo o maior com tamanho 1” e o menor com tamanho 7/8. Ambos são curvados nas extremidades e pintados em diversas cores. A área da pega conta com estrutura interna também em alumínio e é revestida com silicone para proporcionar mais conforto na utilização. A área inferior do objeto é feita com uma borracha maciça curvada, pintada em diversas cores e com textura antiderrapante. A borracha é presa dentro do menor tubo de alumínio. Uma das peças de um dos mecanismos internos foi adaptada de um tubo extensor para pintura. Esta peça foi impressa com a tecnologia de impressão 3D dentro do Laboratório NEXT, do Departamento de Design. A peça do segundo mecanismo foi criada de acordo com a necessidade encontrada para o funcionamento do objeto, feita no torno e finalizada com um prego, uma arruela e uma porca. Todo o projeto foi desenvolvido dentro do Laboratório de Modelos e Protótipos do Departamento de Arte & Design da PUC.

Ascom/Vrac: De que consiste a premiação? Qual foi sua motivação ao participar?

O Prêmio Internacional Objeto: Brasil contempla projetos de estudantes e profissionais da área criativa em algumas categorias. Os projetos vencedores da premiação garantem a presença institucional no catálogo de premiados e no website do prêmio, além de troféu e certificado. A premiação será realizada em São Paulo no dia 23 de maio, no Istituto Europeo di Design, onde também terá lugar uma exposição dos vencedores, que fica em cartaz até junho. Além disso, os projetos vencedores ficarão em exposição no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, de 28 de abril até julho.

Carolina: Quando soube do concurso e percebi que havia uma categoria intitulada Design para Todos | Economia Solidária, acreditei que o meu projeto se encaixava perfeitamente, uma vez que ele trata de questões como acessibilidade e inclusão social dos idosos. Além disso, ganhar o prêmio daria visibilidade ao meu projeto e também ao tema: muitas vezes os idosos são esquecidos ou deixados de lado pela sociedade e pelos governantes.

Ascom/Vrac: O que pretende fazer com o objeto a partir da premiação?

Carolina: Após a premiação, eu pretendo colocar o Camminta - Objeto de Auxílio para Mobilidade do Idoso em produção para ser posteriormente comercializado, pois acredito em sua relevância dentro do mercado de objetos de auxílio.

 Carolina Ferraz, </STRONG>a <EM>designer</EM> vencedora <STRONG>-</STRONG> crédito: arquivo pessoal <STRONG>
 Carolina Ferraz, a designer vencedora - crédito: arquivo pessoal 

Ascom/Vrac: Quais são seus planos futuros?

Carolina: Para o futuro espero conseguir, de alguma maneira, mostrar a importância e a relevância do Design para a sociedade, pois a maioria das pessoas não vê o valor agregado que pode trazer não só para as empresas, mas para as pessoas de um modo geral. Espero que, num futuro próximo, essa questão possa ser vista de maneira diferente, com cada vez mais projetos em empresas, escolas, entre outras possibilidades que envolvam o Design em alguma etapa.

 

Por Renata Ratton

Vice-Reitoria Acadêmica
PUC-Rio

Publicada em: 15/04/2016

 
Imprimir esta página
 
Busca:
Voltar

Powered by Publique!